sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Você sabe o que você compra quando compra um livro?


Recentemente
um post da Exame.com nos chamou muito a atenção. O texto tratava da resposta de um dono de um bistrô de Nova Iorque à uma cliente, que fez uma postagem on-line acusando o local de ter "preços abusivos". Num país campeão em impostos como o Brasil, impossível não trazermos o tema para discussão, tendo ainda a nossa ótica do mercado editorial – que enfrenta uma das maiores crises de sua história. Por vezes, aqui e ali, pingam comentários sobre os preços de livros nas redes sociais, sugerindo que nada justifica os "altos" preços das publicações.
Pois a resposta de um dono de bistrô do leste dos Estados Unidos, não poderia representar melhor nossa realidade por aqui: o paralelo se aplica. Leiam e entendam o porquê.

O que era para ser uma queixa de um estabelecimento em Nova York, feita no Trip Advisor, se tornou uma verdadeira "aula de economia", depois que o dono do estabelecimento resolveu explicar o porquê do "alto preço" de uma xícara de água com limão.

Hannah C. escolheu o Bennett Café e Bistrô para ir com amigos e, de acordo com sua opinião, a experiência foi ruim.

"Este lugar é absolutamente horrível. Fui ali para tomar um chá da tarde com alguns amigos, e estava com pouco dinheiro. Pedi então água quente com uma rodela de limão. Em primeiro lugar, a água não chegou junto com o bolo e a bebida dos meus amigos. Depois, me cobraram 2 libras (cerca de R$ 12) pela água quente e por uma fina rodela de limão. Quando eu perguntei porque estava sendo cobrada uma quantia tão alta por um pouco de água, o garçom disse, rudemente: 'bom, você sabe quando custa um limão?'. Sim, e definitivamente não é duas libras. Depois, ele me informou, erroneamente, que um bule de chá para uma pessoa (que foi o que me cobraram) custa o mesmo preço que um limão. Para demonstrar o quão ridículo isso era, meu amigo pediu um doce de chocolate, que custava 1,90 libras. Lugar horrível, sem dúvida não o recomendo, e o garçom rude que me atendeu deveria ser despedido. Não voltarei, e aconselharei meus amigos e familiares a não irem lá".

O dono do Bennett, Jay Rayner, resolveu então responder a resenha:

"Lamento que você tenha se sentido explorada, e vou te explicar porque não deveria ser assim. Você entrou no café, e o garçom mostrou onde você deveria se sentar, entregou um cardápio, esperou para anotar o seu pedido... Foi no caixa, pegou uma xícara, um prato e uma colher, e os levou à cozinha. Lá, ele pegou uma faca, uma tábua e um limão. Cortou um pedaço e colocou na xícara. Depois, voltou ao salão, pegou a água quente e levou a xícara à sua mesa. Quando você ia embora, ele imprimiu sua conta, levou até você, processou seu pagamento com cartão de crédito e fez a cobrança fora do caixa. Depois que você foi embora, ele pegou a xícara, o prato e a colher, levou até a cozinha, lavou, secou - junto com a tábua e com a faca - e guardou o limão. Depois, ele voltou ao salão para arrumar a xícara, o prato e a colher, limpou sua mesa e deixou o cardápio ali, a espera do próximo cliente, Isso toma, pelo menos, de 2 a 3 minutos de trabalho do garçom."

E ele continua:

"O custo dos gastos gerais da empresa, quero dizer, o aluguel, as taxas do negócio, os custos de eletricidade, os gastos bancários, entre outros, giram em torno de 25,50 libras. Eu pago aos meu colegas um salário digno e decente, levando em conta o pagamento de férias, seguro, e o tempo produtivo antes de abertura e depois do fechamento do bistrô. O garçom que lhe serviu me busca 12,50 libras por hora. Portanto, em conjunto, o custo é de 40 libras por hora, o que significa que o custo de proporcionar o serviço de 2 a 3 minutos seria entre 1,34 a 2 libras. Então, o governo ainda acrescenta 20% de impostos, o que faz com que a xícara com água e limão, custe entre 1,60 e 2,40 libras".

"Tenho que pagar os meus fornecedores, caso contrário as instalações não estarão disponíveis para outras pessoas no futuro. Concordo que tudo faz com que o preço de uma xícara de chá no centro da cidade seja caro, comparado ao que você faz em casa, mas por desgraça, essa é a cruel realidade da vida. Na verdade, são as instalações que custam dinheiro, muito mais do que os ingredientes. Talvez, a má educação que você percebeu em mim foi provocada pela falta de respeito que eu percebi em você por presumir que poderia usar nossas instalações e ser atendida gratuitamente".

Fonte: http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/cliente-reclama-de-preco-de-bistro-e-tem-resposta-inusitada


quarta-feira, 30 de setembro de 2015

O que nos faz humanos?

O cineasta e artista Yann Arthus-Bertrand levou três anos coletando histórias de vida reais de 2 mil homens e mulheres em 60 países. O filme captura histórias pessoais e profundas dos mais diferentes universos desses personagens, trazendo à tona temas essenciais ao questionamento "do que é que nos faz humanos", buscando o fio condutor do que nos une como raça única. Luta contra pobreza, guerra, homofobia e o futuro do nosso planeta, misturados com momentos de amor e felicidade. Assista aqui o filme na íntegra e inspire-se.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Livro sobre Índia e Nepal arrecada fundos para construção de escola para as crianças vítimas do terremoto.


Desde ontem está no ar DharmaProject.com.br um projeto de financiamento coletivo para produção de um livro de fotografia da Índia e Nepal, organizado por Andrei Polessi (diretor de arte, responsável pela comunicação visual da Casa dos Espíritos, bem como as capas e projetos gráficos de nossos livros) e Karina Oliani (médica, multi-atleta e a mulher mais jovem a chegar no cume do Everest em 2013). O lucro do projeto será revertido pra construção de uma escola no Nepal, para as crianças vítimas do terremoto deste ano.
O livro se chama Dharma e o processo de captação dos recursos é através de um crowdfunding. O sistema é um financiamento coletivo de produção independente, onde as pessoas pagam antecipadamente pelo produto, gerando assim capital para que os realizadores executem o projeto; na prática, os apoiadores recebem o livro 2 meses depois de terem comprado suas cotas de participação – que variam de R$30 (versão PDF digital do livro), R$99 (livro impresso), até cotas mais altas de patrocínios para empresas.

“Quando usamos o sistema de financiamento coletivo, a chave do sucesso é a divulgação. Quanto mais divulgarmos, mais pessoas tomarão conhecimento da proposta e maiores as chances da meta ser alcançada.”, comenta Andrei. “O projeto está hospedado no site do Catarse e lá é tudo ou nada, ou seja, se não levantarmos toda a meta estipulada em 60 dias, o dinheiro retorna para os apoiadores e o livro não acontece”.








Selecionadas entre milhares de imagens, o livro trará em 176 páginas, as fotos que melhor transmitem a beleza do cenário, da cultura e dessa região dos Himalayas. Um passaporte para que os leitores viajem junto com os autores por paisagens espetaculares e personagens insólitos. Destinos que atraem tanto pela receptividade do povo, quanto pela religiosidade e história milenar. Algumas dessas imagens já chegaram a ilustrar nossa publicação “Pelas ruas de Calcutá”, de Robson Pinheiro pelo espírito Teresa de Calcutá. 


Acesse DharmaProject.com.br, assista ao vídeo de apresentação do projeto e saiba como participar desta iniciativa.





sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Carta de Tancredo Neves psicografada por Robson Pinheiro.



Amigos e companheiros espiritualistas da nação brasileira,

Nosso país passa por momentos incomuns em seu cenário político, econômico e social, mas, sobretudo, por uma crise sem precedentes de ordem espiritual, a qual se faz perceber nos desdobramentos do nosso momento político e na conjuntura socioeconômica na qual estamos todos inseridos e imersos.
Não podemos ignorar as palavras de Allan Kardec ao registrar que de ordinário, são eles [os espíritos] que vos dirigem. Sob esse pensamento, que traduz a realidade da vida nos bastidores de todas as ações humanas, sabemos que as dificuldades enfrentadas pelo povo brasileiro não são somente da parte daqueles que detêm o poder ou que o veem fugir de suas mãos. Nós enfrentamos, neste momento, um dos casos mais graves de obsessões complexas num âmbito generalizado em nossa nação. O país passa por uma crise espiritual na qual as forças da oposição ao progresso culminaram com a derrocada de valores e conquistas do povo brasileiro, afetando, em grande medida, as instituições públicas. Tudo isso levando-se em conta que, desde os bastidores da vida, espíritos representantes das sombras, das trevas mais ínferas, têm manipulado suas marionetes —políticos, homens públicos, empresários e homens do povo, desde as pessoas mais comuns até aquelas que em alguma grau detêm poder ou liderança sobre a multidão e, ainda, as que formam opinião são capazes de influenciar a situação reinante — a qual, a cada dia,agrava-se a passos claros.
Não podemos desconsiderar que a arma da qual se utilizam os representantes das trevas deste século é eficiente o bastante para minar as forças daqueles que querem acertar, pois formam quadrilhas, grupos de poder para os quais é mais importante sua manutenção no poder, a qualquer custo, do que o bem-estar do povo e das instituições que zelam por nosso futuro promissorcomo nação.
Não nos esqueçamos de que, por trás de homens, estão as hostes espirituais da maldade, que fazem de tudo para saquear os cofres públicos, solapar a economia, fraudar, corromper os valores éticos, assim roubando do povo brasileiro sono de sossego ou fé em dias melhores. A estratégia dessas entidades consiste, em larga medida, em promover a desgraça daqueles homens e daquelas instituições que ainda acreditam e representam o bem, a honestidade, a retidão de caráter e os valores que nos tornaram, ao longo dos séculos, a grande nação que somos. É a política das trevas, por meio de suas marionetes encarnadasdeturpar tanto o significado quanto a razão mesma da ética e de valores nobres e sadios mediante o assassinato da fé do povo, alardeando uma visão populista ao mesmo tempo que encobre sua verdadeira face de estandarte do mal e das forças da escuridão. 
Estamos em plena guerra espiritual, na qual o campo de batalhas está cada vez mais próximo de nós, de nossas famílias, de nossas vidas. Não mais podemos pensar num tempo de tranquilidade ou de aparente segurançapois ninguém está seguro diante dos lobos travestidos em peles de ovelhas com seus discursos preparados para enganar e levar a multidão a erro. Em troca, deixam as migalhas caírem de seus cofres particulares, ou dos cofres e das contas bilionárias das quadrilhas que tomaram de assalto e aparelharam o governo, o país e as instituições que deveriam nos representar.
Mas não estão sós esses homens que assim agem. Como marionetes das forças das trevas, eles representam um forte aparato de guerra que é utilizado a fim de retardar o progresso e fazer com que as instituições do bem sejam afetadas diretamente, pela força, aarrogância, as mentiras e as pretensões das quais se valem para fazer afundar o barco da nação brasileira.
A política faliuos homens públicos falirammuitas empresas sucumbiram mediante o abuso daqueles que tentam dominar a qualquer custo, e, inclusive, muitos homens de bem, muitas pessoas de boa vontadeiludidasdeixaram-se levar pelas promessas vãs, pelas políticas públicas populistas, com seu idealismo patético a distribuir suas migalhas, que ainda hoje retêm a população mais sofrida na situação de dependência crônica dos programas forjados para iludi-la, visando à ignorância do povo acerca do que se comete nos bastidores. Misérias e bolsas oportunistas são oferecidas à gente pobre mas também aos ricos, enquanto lobos vorazes pilham a economia e buscam se manter disfarçados de ovelhas no comando de uma das maiores nações do planeta. 
Não nos enganemos, meus amigos, pois não estamos lutando contra a carne e o sangue”, mas, como disse o apóstolo Paulo, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século,contra as hostes espirituais da maldade. Em outras palavras, a guerra não é contra homens, apenas; com efeito, é de ordem espiritual. Nosso discurso não é meramente político, mas de convicção espiritual da realidade dos seres trevosos com os quais lidamos.Quem é incapaz de perceber a gravidade da hora, o estiramento das convicções e o assalto aos valores em pleno curso, deve-se indagar, honestamente, se sua visão já não está comprometida pelos feiticeiros da hipnose vigente, pelos artífices da derrocada da nação brasileira, dos dois lados da vida.
Por isso, hoje não nos resta uma alternativa plenamente confiável, embora vislumbremos a possibilidade de modificar esse panorama, dando um novo rumo ao nosso futuro. Se, por um lado, não se apresenta alguém que reúna condições genuínas e plenas de representar a nação e o povo brasileiro fazendo frente a esta marca da corrupção que avassala desde Brasília até a base mesma da sociedade — isto é, o povo comum, pelo menos nos resta a alternativa de optarmos por uma ética ou, quem sabe, pela possibilidade de mudar, uma vez que o horizonte não nos aponta um líder ou uma liderança isenta de chances de perpetuar o erroOu, mais modestamente: diante do quadro dramático em que se vê a nossa nação, errar menos já seria de muito bom grado diante do extremo a que chegaram os representantes eleitos democraticamente pelo nosso povo, iludido pelas promessas, as mentiras e as ideologias de um governo dos mais corruptos que a história do Brasil já conheceu. Diante de tamanha manipulação mental, hipnótica e sensorial empregada por aqueles que formaram a quadrilha que nos governa desde os bastidores do Palácio da Alvorada até os bastidores da vida, sem dúvida errar menos já significaria grande avanço.
Nosso momento é grave, não somente economicamente, mas espiritualmente falando. Sobretudo do ponto de vista espiritual, pois sabemoscom mínimo de perspicácia e observação, que forças ocultas estão em plena concentração na tentativa de afundar o barco da nação brasileira, sobre a qual já foi dito, um dia, que deveria ser o coração do mundo e pátria do Evangelho. 
Segundo podemos constatar, o coração está parando; está enfermo e precisando urgentemente de uma cirurgia moral, ética e espiritual. E é raro que um processo cirúrgico não cause apreensão e seja indolor
Em caráter emergencial, precisamos nos irmanar em oração, todos os que de alguma maneira querem o bem do povo brasileiro. Precisamos pedir a Jesus que tenha misericórdia dos filhos desta terra e das lideranças e dosrepresentantes do povo, mas que também sustente os esforços daqueles poucos que resistem e querem acertar; dos que militam em defesa da ética, da justiça, do desmascaramento dos lobos que enganam e enganaram a multidão num momento frágil de sua fé no futuro e utilizaram do poder de barganha para comprar com promessas levianas aqueles que não souberam e ainda não sabem distinguir entre a ovelha e o lobo  este, bando que governa, distribuindo migalhas em troca de votos e popularidade. Quem sabe, clamar para que os cidadãos sejam capazes de discernir e identifiquequem deseja ajudar educando e objetiva, de fato, libertá-los da miséria, da servidão da consciência e da ignorância. Precisamos nos reunir em oração, mesmo aqueles que de alguma maneira ainda se deixam levar pelas promessas que já se mostraram vazias e pelo idealismo disseminado em nome desta política desumana, que com certeza não tem sua origem nos dirigentes espirituais da nação, mas nas hostes da maldade, nos representantes da escuridão que estão encastelados nos corações daqueles que, em troca do sofrimento do povo brasileiro, tentam dominar e perpetuar-se no poder a qualquer custo.
Nosso convite é para orarmos, juntarmos nossas energias e possibilidades espirituais, não somente vibrações, para que nos pronunciemos cada vez mais. Que tenhamos a coragem de sair de nossos lares, de ir às ruas, de nos manifestar pelo bem e pelo direito, pela vitória da ética e da dignidade. E não falo aqui a favor ou contra partidos políticos, mas a favor do bem, da justiça e das conquistas de nossa nação. 
Que possamos descruzar os braços, sair do comodismo diante dos acontecimentos, tentando de alguma maneira nos pronunciar a fim de não darmos ainda mais razão ao pensamento de que, se o bem não domina, é porque os bons são tímidos — ou fracos. Sem que se ergam os cristãos como dantes se ergueram perante as arbitrariedades dos ímpios, que culminaram nos circos romanos da Antiguidade; sem que nos mexamos e façamos a nossa parte — muito mais do que simplesmente rezarmos e pedirmos ajuda ao Alto, sabendo que todos somos a ajuda que o Alto envia para agir no momento de crise —; sem isso, se não agirmos e formos proativos, seremos apenas uma voz rouca queaos poucos, será silenciada em meio à multidão dos que sofrem e do poder dos marginais a serviço da escuridão. Seremos apenas miseráveis, escondidos em nossas casas de oração, batendo no peito a clamar socorroescondidos com medo de nos mostrar em nome da causa do bem pelqual todos deveríamos nos expor e mostrar que, juntos, podemos muito mais!
Não se acanhem, não se iludam. Estamos em plena guerra espiritual, e, numa guerra, onde estarão os representantes de um reino em tudo superior aos reinos falidos dos homens e dos representantes das sombras?
Oremos, sim, rezemos mais ainda, mas sobretudo nos posicionemos, em nossas redes sociais, em nosso círculo de ação, em nossas famílias, no trabalho e na sociedade, enquanto é tempo — antes que seja levantada a bandeira da escuridão substituia do bem no seio do Brasil. Esteja de que lado estiver, defenda você qualquer ideologia que defender, qualquer partido político ou religião, saiba que você não está fora dessa luta e, se não se posicionar urgentemente, será arrastado pelo caudal das lutas e provações que já se avizinha da gente brasileiraocasionado pela política desumana e sombria dos seres das trevas e de seus representantes políticos no mundo.
Relembrando o pensamento de Edgard Cayce, numa de suas profecias modernas: nenhuma instituição, nenhuma família, ninguém ficará isento de passar pelas lutas e pelas provações coletivas que se abaterão sobre a nação neste momento grave de provas a que serão submetidos o povo brasileiro e o mundo em geral. Portanto, em nome do bem, em nome da justiça, em nome da ética e da sobrevivência de nossa nação, dos valores morais e das conquistas sociaisem nome de Jesus, que representa a política divina do Reino, convocamos você a se pronunciar, a se mostrar, a mostrar a sua cara e sair do comodismo de sua poltrona; sair às ruas e gritar, falar, divulgar nas redes sociais que nós, os que acreditamos num mundo melhor, não compactuamos com a situação, a posição e as atitudes de franco desequilíbrio espiritual, social, político, tampouco com o desrespeito como vem sendo tratado o povo brasileiro nos últimos tempos. Precisamos formar um feixe de varas, estar juntos, embora não fundidos, massobretudo, precisamos nos unir no propósito de enfrentar as hostes da maldade instaladas em Brasília e nos bastiões do poder em todo o território brasileiro. A bandeira do bem e da justiça urge ser hasteada, e os bons, os que dizem representar o bem, precisam sair de seu ostracismo e mostrar que realmente representam uma política divina, e não a política humana marcada pela corrupção dos valores e da fé.

Robson Pinheiro pelo espírito Tancredo Neves, na companhia dos espíritos José do Patrocínio e Getúlio Vargas

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Religião e tolerância.

video

Vozes contra a intolerância. Do alto dos seus 90 anos de vida e luta, Mãe Stella fala sobre tolerânica e religiosidade neste trecho do documentário "Mulheres do Axé" do diretor Marcos Rezende.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

O HIV te toca? E você, toca o HIV?



O HIV e a AIDS ainda envolve muitos tabus e engana-se quem pensa que é só no Brasil. Mas nesse experimento feito em Helsinki, capital da Finlândia, uma campanha de conscientização joga luz sobre o tema.

Janne é finlandês e há tempos queria participar de uma campanha que desmistificasse o vírus HIV. O projeto da companhia Yle Kioski foi a oportunidade certa.

A organização trabalha para desafiar o medo que as pessoas têm com quem é portador da doença. Mesmo com a crescente quantidade de informação, o HIV e a AIDS ainda são alvo de muito preconceito. Muitos portadores sofrem com discriminação e exclusão social.

Janne é HIV-positivo e quis encarar a exclusão de frente. Ele saiu pelas ruas desafiando as pessoas a tocarem nele. Só isso.


Fonte:
http://awebic.com/saude/homem-com-hiv-lanca-desafio-em-praca-publica-mas-ele-nao-esperava-por-isso/

+Leitura:
Temos várias publicações que abordam o tema da AIDS e do HIV, sob a ótica do espiritismo. Testemunhos emocionantes que ensinam, inspiram e nos fazem refletir sobre nosso comportamento em relação ao tema.



Compre aqui:
www.casadosespiritos.com.br/livro/faz-parte-do-meu-show/
www.casadosespiritos.com.br/livro/cancao-da-esperanca/
www.casadosespiritos.com.br/livro/encontro-com-a-vida/